Logo RTM

Compartilhe

Blockchain pública, privada, consórcio e híbrida: conheça as diferenças
PorRTM
Imagem ilustrativa para o artigo "Blockchain pública, privada, consórcio e híbrida: conheça as diferenças" do blog da RTM.

A tecnologia blockchain tem sido uma das inovações mais disruptivas e promissoras dos últimos anos, com a capacidade de transformar muitos setores e revolucionar a forma como as transações são realizadas.

Embora geralmente associada às criptomoedas, a blockchain tem muitas outras aplicações em áreas das próprias finanças e também outras como saúde, energia, logística e muito mais.

Existem vários tipos de blockchain, cada um com suas próprias características e aplicações.

Mas o que cada uma delas significa? A seguir, vamos falar sobre elas, suas diferenças e quais cuidados as instituições financeiras devem tomar.

Os tipos de blockchain existentes

Como o próprio nome diz, a blockchain é uma cadeia de blocos de dados interligados que permite o compartilhamento transparente de informações na rede de uma empresa. 

Atualmente, existem quatro tipos dessa tecnologia: pública, privada, consórcio e híbrida. Cada tipo apresenta características que o torna mais indicado para um tipo de processo específico. Vamos entender melhor a seguir cada uma delas:

Blockchain pública

A blockchain pública é uma rede descentralizada e aberta na qual qualquer pessoa pode participar, sem a necessidade de permissão ou autorização prévia.

Cada participante tem uma cópia completa do registro de transações, e a validação das transações é feita por meio de um consenso distribuído. O Bitcoin e o Ethereum são exemplos de blockchain público para a transferência de criptomoedas.

O lado positivo é que a blockchain pública é altamente descentralizada e transparente, com segurança aprimorada por meio do consenso distribuído.

No entanto, o desempenho da blockchain pública é limitado justamente devido à necessidade de validação de consenso distribuído.

Blockchain privada

A blockchain privada é uma rede fechada e controlada por uma única entidade. O acesso ao registro de transações se restringe, e a validação das transações é feita por meio de uma autoridade central.

A blockchain privada é mais recomendada para o controle de processos internos, com uso limitado para transações externas. Exemplos de blockchain privada incluem o Corda e o Hyperledger Fabric. 

Essa tecnologia pode ser usada por bancos e outras instituições financeiras para gerenciamento de transações e processos internos, inclusive, é um dos benefícios do open finance.

Entre as vantagens está o fato de que a blockchain privada é altamente segura e escalável, com desempenho aprimorado em comparação com a blockchain pública. A privacidade e a governança são controladas pelo proprietário da rede.

Por outro lado, a centralização pode comprometer a transparência e a segurança do sistema. Ainda, a manutenção da blockchain privada pode ser custosa e complexa.

Blockchain consórcio

A blockchain consórcio é uma rede privada controlada por organizações autorizadas, em que as transações são validadas por meio de um consenso distribuído entre os membros da rede.

É adequada para setores em que várias organizações precisam colaborar em um processo de negócios, como o setor de seguros. Alguns exemplos de blockchain consórcio incluem o R3 Corda e o IBM Blockchain Platform.

Esse tipo de blockchain permite que várias organizações trabalhem juntas em uma rede privada segura e confiável, com maior transparência e eficiência nos processos de negócios compartilhados.

Contudo, o controle compartilhado pode levar a um processo de tomada de decisão mais complexo, e a necessidade de validação de consenso distribuído pode reduzir a velocidade e a eficiência do processo.

Blockchain híbrida

A blockchain híbrida combina elementos da blockchain pública e da privada. Ela permite que diferentes partes da rede tenham diferentes níveis de acesso e controle.

Ou seja, transações são validadas por meio de um consenso distribuído em parte da rede e por meio de uma autoridade central em outra parte. Exemplos de blockchain híbrida incluem o Dragonchain e o Quorum. 

Empresas de comércio eletrônico podem se beneficiar bastante com ela no gerenciamento de pagamentos, com a validação das transações.

Algumas vantagens envolvem a blockchain híbrida oferecer a flexibilidade e a escalabilidade da privada, combinado com a transparência e a segurança da blockchain pública. Além disso, pode ser adaptada para atender às necessidades específicas de diferentes aplicativos.

Em compensação, a nível de complexidade da blockchain híbrida pode dificultar sua implementação e manutenção.

Entenda melhor o presente e o futuro dos meios de pagamentos!

Quais são as diferenças entre blockchain pública, privada, consórcio e híbrida? Quais cuidados tomar?

Cada tipo de blockchain tem suas características e peculiaridades, que precisam ser compreendidas antes de escolher a solução mais adequada para cada caso. As principais diferenças entre blockchain pública, privada, consórcio e híbrida são:

  • Acesso: a blockchain pública é aberta e acessível a todos, enquanto a privada está sob uma única organização ou grupo. O tipo consórcio tem controle de várias organizações autorizadas, e a híbrida combina aspectos de blockchain pública e privada em uma única solução;
  • Consenso: a blockchain pública usa um consenso distribuído para validar transações, enquanto a privada e consórcio utilizam um consenso entre os participantes da rede. A híbrida pode usar ambos os métodos de validação;
  • Segurança e privacidade: a blockchain pública é a mais segura e transparente, enquanto a privada é mais segura e privada. A blockchain consórcio e híbrida são soluções intermediárias.

Algumas medidas de segurança e privacidade que as instituições financeiras devem tomar incluem:

  • Criptografar as transações e dados sensíveis.
  • Limitar o acesso e controle da rede a um grupo selecionado de participantes confiáveis.
  • Implementar medidas de proteção contra ataques cibernéticos e fraudes;
  • Garantir a conformidade com as regulamentações de privacidade e proteção de dados.

Com esses cuidados, as instituições financeiras podem aproveitar ao máximo os benefícios da tecnologia blockchain para aumentar a eficiência, transparência e segurança em seus processos de negócios.

O uso de blockchain pelo setor financeiro é uma das inovações pelas quais o mercado de meios de pagamentos está passando.

No entanto, essa não é a única. É preciso ficar atento a elas para não perder oportunidades de negócio. Acompanhe a evolução meios de pagamento!

Deixe seu comentário

Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Newsletter

Cadastre-se e receba todos os nossos conteúdos por e-mail, em primeira-mão.


    Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

    Veja outras notícias relacionadas

    Imagem de uma mão robótica com a palma virada para cima. Abaixo está escrito "E-book Inteligência artificial e segurança no mercado financeiro: desafios, conformidade e soluções para evitar fraudes e crimes cibernéticos".
    Inteligência artificial e segurança no mercado financeiro
    Imagem em vermelho escuro com a foto de um homem branco, de terno, sorrindo. Ao lado, tem um balão de fala com a afirmação "“Queremos os melhores em serviços de tecnologia para pagamentos, por isso escolhemos a RTM”. Henrique Costa, CTO, e o logo da Pay4Fun.
    Pay4Fun: RTM tem infraestrutura robusta e conhecimento de mercado
    Imagem ilustrativa de um artigo da RTM. Com fundo vermelho e a seguinte pergunta em destaque: O que é sandbox regulatório e como será o novo ambiente de testes da CVM?
    Novo sandbox regulatório: o que muda e como funciona?