Logo RTM

Compartilhe

STVM: como automatizar a portabilidade de fundos de investimento?
PorRTM
Thumbnail post STVM: como automatizar a portabilidade de fundos de investimento?

Denomina-se STVM (Solicitação de Transferência de Valores Mobiliários) a operação de portabilidade dos ativos de fundos de investimentos. Trata-se de uma espécie de carta que lista todos os investimentos que estão prestes a serem transferidos, observando todas as regras da autorregulação da ANBIMA.

No entanto, quando esse processo é feito de forma tradicional (manual), podem surgir gargalos operacionais que atrasam as transações, dificultando a movimentação dos fundos ao longo do dia e, consequentemente, gerando reclamações dos investidores ao regulador. 

Atualmente, já existem ferramentas especializadas para suprir essa lacuna. Neste conteúdo, mostraremos como automatizar a portabilidade de fundos com o auxílio dessas ferramentas, de modo a ganhar agilidade e eficiência na STVM.

Como é o processo tradicional de transferência de custódia (STVM)?

Qualquer investidor poderá, por lei, transferir a custódia de seus ativos para outra distribuidora. Esse processo se dá como uma forma de portabilidade, que é um mecanismo já bastante conhecido na transferência de planos de celular e fundos de previdência, por exemplo.

Esse é um recurso muito importante para os investidores, tendo em vista que, dessa maneira, poderão escolher a instituição financeira que mais dialoga com seu perfil de investimento, oferecendo o melhor retorno e custo-benefício.

Vale lembrar que os fundos de uma conta pertencem exclusivamente aos investidores, e não às instituições. Elas são apenas mediadoras do processo de custódia e registro dos ativos. Porém, para transferir os ativos associados a determinada instituição, é necessário realizar a STVM.

No modelo tradicional, o agente da distribuidora de origem recebe a carta com a lista de investimentos e encaminha a solicitação de transferência das cotas dos fundos. A distribuidora de destino então recebe esse pedido e, conforme uma análise manual, aprova a transferência caso todos os documentos tenham sido preenchidos e enviados de forma correta.

Como automatizar a STVM?

Enquanto o processo de STVM não é finalizado, os ativos não poderão ser negociados, o que pode ser um entrave para o investidor. Além disso, se houver pendências de registro ou tarifação, o pedido poderá ser indeferido ou sequer processado.

A comunicação do andamento do processo de transferência deve seguir o prazo especificado pela autorregulação da ANBIMA, que pode variar de sete a dez dias úteis. Entretanto, as instituições podem apresentar algumas particularidades no passo a passo desse processo, que geralmente se dá por e-mail ou telefone, gerando atrasos na transferência desses ativos. 

Sendo assim, mesmo que a transferência de custódia seja um direito dos investidores, a STVM realizada de forma tradicional pode acabar se dando de forma lenta e complexa, a depender dos documentos solicitados.

Cientes desse cenário, algumas instituições já se atentaram à necessidade de automatizar a STVM. Hoje, o recurso mais eficiente para isso é o RTM Hub Fundos, plataforma especialmente desenvolvida para automatizar toda a comunicação referente aos fundos.

A plataforma permite às partes envolvidas trocarem informações em tempo real e com maior transparência. Tudo isso sem precisar que as instituições adaptem os seus sistemas internos. Dessa forma, a comunicação entre gestores, custodiantes, administradores e distribuidores de fundos de investimentos fica muito mais ágil e eficiente.

O que é o RTM HUB Fundos e quais seus diferenciais?

RTM Hub Fundos surgiu de uma demanda do próprio mercado financeiro, considerando-se o crescimento acelerado da indústria de fundos de investimentos na última década.

Como se trata de um ambiente com muitos players e onde a troca de informação é intensa, existe a necessidade de facilitar a comunicação para dar agilidade aos procedimentos, incluindo a STVM.

RTM Hub Fundos é a primeira solução nacional focada especificamente em integrar e agregar transparência na troca de informações entre as instituições. O objetivo é eliminar os gargalos operacionais das transações por meio da padronização de dados.

No modelo convencional, cada um dos players do ecossistema utiliza um modelo distinto de comunicação, o que torna o processo moroso e dificulta o recebimento dos dados relacionados à portabilidade, por exemplo. Além disso, a ausência de integração também atrapalha a movimentação dos fundos no dia a dia.

O grande diferencial do Hub Fundos é, portanto, centralizar dados para facilitar as transações e a STVM. A seguir, resumimos os principais recursos e vantagens da ferramenta:

  • Adoção de padrão internacional: ISO 20022;
  • Fácil integração via API e acesso via portal web;
  • Agente neutro: a RTM padronizando a indústria;
  • Portabilidade automatizada e agilizada;
  • Redução de gargalos em datas de eventos de come cotas;
  • Janelas de horários potencialmente otimizadas;
  • Custos operacionais reduzidos;
  • Onboarding facilitado para novos players;
  • Cadastro/adesão com evolução da plataforma;
  • Trilhas de auditoria e criptografia dos dados de ponta a ponta;
  • Segurança da Informação e Compliance com o Open Finance e nova ICVM 555;
  • Status das ordens sempre atualizado.

Quer entender melhor como funciona? Saiba mais sobre o Hub Fundos e veja como ganhar mais eficiência e agilidade nas operações!

Deixe seu comentário

Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Newsletter

Cadastre-se e receba todos os nossos conteúdos por e-mail, em primeira-mão.


    Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

    Veja outras notícias relacionadas

    Duas mãos seguram dois blocos de madeira que se encaixam no ar representando o peer-to-peer.
    Peer-to-peer: conceito e aplicações no mercado financeiro
    Foto de Aloísio Mota, um homem branco vestido com terno preto e camisa social branca.
    Head de Negócios fala sobre criação do Grupo Consultivo para fundos
    Homem branco digita em um notebook enquanto trabalha em um ambiente com servidores. Ao lado da foto está escrito: Colocation no Data Center do mercado financeiro
    Colocation: vantagens de alocar seus servidores em espaços físicos