Logo RTM

Compartilhe

Kubernetes: o que é, como funciona e como usar?
PorRTM
Imagem ilustrativo para artigo da RTM sobre Kubernetes.

Quando se pensa em cloud first, muitas das aplicações estão divididas em contêineres. 

O Kubernetes é uma plataforma poderosa para a orquestração deles, com vários conceitos e componentes que ajudam a gerenciá-los em um ambiente distribuído e escalável.

Quase 6 em cada 10 empresas executam o Kubernetes na  produção, segundo dados do Container Journal.

Ele também pode ter um papel importante no mercado financeiro, especialmente em instituições financeiras e empresas que operam em setores financeiros altamente regulamentados. 

Mas o que Kubernetes significa exatamente? Quais são os benefícios dele nesse setor e como pode ser usado?

Descubra  a seguir!

O que é kubernetes?

Kubernetes é uma plataforma de código aberto para orquestração de contêineres amplamente utilizada no mundo da computação nativa da nuvem

Ela permite implementar, dimensionar e gerir aplicativos em contêineres de maneira eficiente e escalável. 

Os contêineres, por sua vez, são ambientes de execução isolados que encapsulam um aplicativo e suas dependências, tornando-os portáteis e consistentes em diferentes sistemas operacionais.

Os kubernetes foram originalmente desenvolvidos pelo Google e hoje são mantidos pela Cloud Native Computing Foundation (CNCF).

A sua principal finalidade é simplificar a administração de aplicativos distribuídos, permitindo que eles sejam executados de forma consistente e confiável em ambientes de produção. 

Cloud ou on-premise: qual ambiente é melhor para sua instituição financeira? 

Como funciona essa tecnologia?

Essa tecnologia funciona por meio de um modelo declarativo, onde os usuários definem o estado desejado do sistema em arquivos de configuração YAML. O Kubernetes então garante que o ambiente se alinhe a esse estado declarado. 

Para entender seu funcionamento, é preciso compreender seus componentes:

  • Cluster: Um cluster é um conjunto de máquinas (nós) que trabalham juntas. Cada nó é uma máquina física ou virtual. O cluster do Kubernetes consiste em um nó mestre e vários nós de trabalho;
  • : cada nó em um cluster é uma máquina que executa contêineres. Os nós de trabalho são onde os aplicativos realmente são executados, e o nó mestre é responsável por gerenciar o cluster;
  • Contêiner de nuvem: é uma imagem que contém um aplicativo e todas as suas dependências empacotadas em um contêiner. Essas imagens são usadas para executar aplicativos no cluster;
  • Pod: a menor unidade de implantação no Kubernetes. Pode conter um ou mais contêineres. Os contêineres em um pod compartilham o mesmo espaço de rede e armazenamento. Os pods são os blocos de construção dos aplicativos no Kubernetes;
  • Implantação: uma implantação é um objeto que gerencia os aplicativos representados por pods. Ele define o estado desejado do aplicativo e garante que o número correto de pods esteja em execução;
  • ReplicaSet: responsável por garantir que um número especificado de réplicas (ou cópias) de um pod esteja em execução ao mesmo tempo. Ele faz parte do mecanismo de escalabilidade e recuperação de falhas do Kubernetes;
  • Serviços: descrevem como acessar os aplicativos representados por um conjunto de pods. Eles atuam como uma abstração para encaminhar o tráfego para os pods corretos, com base em seletores. Os serviços podem ser usados para controlar o acesso interno e externo a um cluster.

Quais são os benefícios do kubernetes para o setor financeiro? 

Kubernetes oferece vários benefícios significativos para o setor financeiro. São eles:

  • Escalabilidade: o setor financeiro lida com cargas de trabalho intensivas e flutuações no volume de transações. Kubernetes permite escalabilidade automática, aumentando ou diminuindo o número de contêineres conforme necessário para atender à demanda, garantindo um desempenho consistente;
  • Alta disponibilidade e recuperação de falhas: a plataforma automatiza a distribuição de carga e a recuperação de falhas, garantindo que as aplicações financeiras estejam sempre disponíveis, mesmo em caso de falhas de hardware ou software;
  • Segurança e conformidade: o setor financeiro é altamente regulamentado. E ele fornece recursos de segurança e isolamento de workloads para ajudar as instituições financeiras a atender a rigorosas regulamentações de segurança e privacidade de dados;
  • Implantações consistentes: Kubernetes permite que as empresas financeiras construam imagens de contêineres consistentes e confiáveis, garantindo que as implantações sejam previsíveis e evitando problemas relacionados a diferenças de ambiente;
  • Economia de custos: contêineres são mais leves que máquinas virtuais, o que significa menor consumo de recursos. Isso leva a economias significativas de custos em ambientes de grande escala;
  • DevOps e ciclos de entrega rápidos: Kubernetes facilita a automação e integração contínua, permitindo que as equipes de desenvolvimento acelerem os ciclos de entrega de software, o que é vital para inovação no setor financeiro.

Como estão as medidas de cibersegurança de sua instituição financeira? Descubra no nosso checklist! 

Como usar kubernetes no setor financeiro? 

O uso do Kubernetes no setor financeiro é múltiplo, mas também requer atenção a certos cuidados devido à natureza altamente regulamentada e sensível dos dados financeiros.

Ele pode ser usado no mercado financeiro para implementar, dimensionar e orquestrar aplicativos e microsserviços  para atender às necessidades dos clientes em constante mudança.

Para análise de mercado e tomada de decisões de negociação em tempo real, o Kubernetes pode ser usado para escalar aplicativos de processamento de dados em tempo real.

As instituições financeiras também conseguem monitorar continuamente a integridade do serviço, executando verificações de integridade nos serviços e reiniciando os contêineres que falharam ou pararam.

Já para usar essa plataforma, é importante estar em conformidade com as regulamentações. Isso inclui o gerenciamento adequado de dados pessoais e informações financeiras.

O controle de acesso rigoroso para garantir que apenas pessoal autorizado tenha permissão para acessar recursos críticos também é essencial.

Nesse sentido, todo o cuidado com esse uso deve estar direcionado para uma estratégia sólida de monitoramento e auditoria que rastreie as atividades no cluster Kubernetes e que identifique qualquer comportamento suspeito.

Mas você está por dentro das tecnologias avançadas de segurança no setor financeiro? Se não, é hora de aproveitar nosso material para conhecer!

Conheça também o Cloud Services, nuvem projetada para atender as necessidades das instituições do mercado financeiro.

Deixe seu comentário

Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Newsletter

Cadastre-se e receba todos os nossos conteúdos por e-mail, em primeira-mão.


    Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

    Veja outras notícias relacionadas

    Imagem de uma mão robótica com a palma virada para cima. Abaixo está escrito "E-book Inteligência artificial e segurança no mercado financeiro: desafios, conformidade e soluções para evitar fraudes e crimes cibernéticos".
    Inteligência artificial e segurança no mercado financeiro
    Imagem em vermelho escuro com a foto de um homem branco, de terno, sorrindo. Ao lado, tem um balão de fala com a afirmação "“Queremos os melhores em serviços de tecnologia para pagamentos, por isso escolhemos a RTM”. Henrique Costa, CTO, e o logo da Pay4Fun.
    Pay4Fun: RTM tem infraestrutura robusta e conhecimento de mercado
    Imagem ilustrativa de um artigo da RTM. Com fundo vermelho e a seguinte pergunta em destaque: O que é sandbox regulatório e como será o novo ambiente de testes da CVM?
    Novo sandbox regulatório: o que muda e como funciona?